Sem categoria | 03/02/2017 20h23

Sites mediam venda de informações e suborno no submundo da web

Golpistas ganham dinheiro com informações sobre empresas e acesso direto à rede subornando funcionários. (Foto: Pierre Amerlynck / Freeimages.com)

Funcionários que possuem acesso privilegiado a informações confidenciais estão encontrando compradores para essas informações no submundo da web, segundo um relatório elaborado pelas empresas de segurança RedOwl e IntSights.

Atraídos pela promessa de dinheiro fácil e pela facilidade de execução do golpe, funcionários de bancos e instituições financeiras são recrutados por donos de sites na Dark Web para disponibilizarem dados sensíveis, tais como informações financeiras e meios de acesso a servidores de bancos ou outros ambientes corporativos.

A Dark Web, ou “web obscura”, refere-se a sites que precisam de softwares e autorizações específicas para serem acessados. Seus endereços, ou URLs, normalmente não se encontram em sites de busca e o método de acesso costuma ter proteções para garantir o anonimato dos usuários.

Segundo o relatório, há páginas nesses espaços que se dedicam à monetização da informação privilegiada, mediando o contato entre comprador e vendedor. Os vendedores são funcionários de instituições financeiras ou grandes corporações, e nesses fóruns são chamados de “Insiders”. Criadores de vírus fornecem as ferramentas necessárias para realizar ataques mais sofisticados, sem que seja necessário muito conhecimento do insider. A adesão a esses sites só é permitida àqueles que têm conhecimentos valiosos para oferecer.

O fórum Kick Ass Marketplace, por exemplo, cobra uma taxa de adesão de US$ 820 e o seu proprietário afirma que existem membros do clube que ganham mais de US$ 5.000 por mês negociando dados vazados, tais como números de cartões de crédito roubados. A atividade dos insiders neste fórum movimenta aproximadamente US$ 35.800 por semana.

As transações financeiras normalmente ocorrem por meio de moedas virtuais, como o Bitcoin.

Ainda segundo o relatório, recentemente surgiram sites voltados exclusivamente a informações sensíveis para manipulação do mercado de ações e outros dedicados à venda de acesso a sistemas corporativos e seus recursos,. Outros serviços comercializados incluem acesso ao mercado de câmbio, venda de commodities e até técnicas do tipo “saber antes dos outros o que vai acontecer”.

A pesquisa não informa em quais redes os fóruns estão localizados, mas a Linha Defensiva apurou que ao menos um dos fóruns é acessível pela rede Tor.

O fórum “The Stock Insiders”, que é dedicado somente ao comércio de “Insiders”, exibe anúncios solicitando funcionários de empresas conforme o perfil desejado. Em um anúncio, o solicitante buscava por um operador de caixa que trabalhasse em lojas com estoques de iPhones; em outro anúncio, um criminoso solicitava algum funcionário de banco que tivesse acesso ao computador do banco operando em mais alto nível para poder implantar um vírus na rede interna da instituição.

Em outras palavras, o invasor suborna um funcionário do banco para burlar todos mecanismos técnicos de segurança utilizados pela instituição.

A RedOwl acredita que as equipes de gerenciamento de risco precisam criar ativamente programas que lidem com ameaças internas — ou seja, dos próprios funcionários — e não apenas se concentrar em ameaças externas. Segundo a empresa, embora 80% das iniciativas de segurança se concentrem na defesa do perímetro — acessos de fora para dentro –, menos de metade das organizações investem na proteção contra ameaças internas.

 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade de seus respectivos autores

Alertas no Twitter

 
Parceiro
Site Seguro

Anuncie | Termos de Uso | Politica de Privacidade | WP

Editado por Altieres Rohr. Mantido pelo Staff Linha Defensiva

Contato Geral:

English ©2004-2015 Linha Defensiva. Todos os Direitos Reservados.